Pastoral da Música

Fotos

Algumas orientações para o canto na liturgia da missa
 

Quanto ao ministério e/ou cantor -

  1. A principal função do ministério é cantar com o povo (não para o povo), embora possa haver, eventualmente, algum momento exclusivo para ele durante a celebração. Evitar o princípio “bom de ouvir, difícil de acompanhar”;

  2. O Ministério (ou o cantor) deve estar voltado para o altar e não para a assembleia;

  3. Cuidar para que o andamento dos cantos não seja alterado, tornando os mesmos arrastados e pesados;


Quanto ao Repertório –

  1. O repertório para as missas deve ser eminentemente litúrgico – aos domingos e dias santos, acompanhar, sempre quando possível, o folheto; o tempo próprio e o momento específico da celebração. Não esquecer o Hinário Litúrgico. Evitar cantos de uma espiritualidade particular, a não ser quando a ocasião assim solicitar;

  2. Durante a semana escolher cantos fáceis, populares, dentro dos critérios acima;

  3. No geral – cuidar para não serem utilizados cantos com letras de conteúdo teológico suspeito (ex. “morreu no meu lugar”, “pra te adorar que eu nasci”, “sou pequeno e sem valor”)

Quanto ao equipamento, regulagem do som e instrumentos -

  1. A regulagem do som: o solo não deve sobressair ao grupo; quando for o mesmo equipamento, cuidar para que os leitores e o presidente não sejam prejudicados;

  2. Cuidar para que haja outros instrumentos a não ser somente o violão. Ex: acordeon, gaita, percussão, teclados;

Quanto ao entrosamento com a equipe de celebração e o presidente -

  1. Havendo “inovações”, sempre quando possível, combinar com a equipe de celebração, sobretudo, com o presidente da mesma;

  2. Não “dar o tom/acorde” para o presidente da celebração em seus momentos solos (Ex. aclamação ao Evangelho, eucologia, doxologia), a não ser quando solicitado;



Quanto aos momentos específicos da celebração -

  1. Ato Penitencial – não solar (“fundo”) quando o presidente estiver fazendo a monição; guardar o silêncio após a mesma; obedecer a estrutura do rito (“Senhor, Cristo, Senhor”);

  2. Salmo Responsorial – não fazer adaptação de melodias de outras músicas conhecidas. Ex: “a barca”, “o Povo de Deus”;

  3. Aclamação ao Evangelho – cantar o Aleluia (exceção na Quaresma) e a antífona própria (evitar: “buscai primeiro”, “a Minh ‘alma abrirei”;

  4. Santo – Obedecer a estrutura própria do rito. (evitar por ex: “Santo, Santo, Santo é o Senhor Jesus...”

  5. Comunhão – não confundir com a ideia de adoração;

  6. Final – preservar a mensagem da celebração (primeira sexta-feira, Nossa Senhora, família, padroeiro, CF, vocacional) e iniciar a missão.