O Círio Pascal

  • A Palavra Círio vem do latim, “Cereus”, e quer dizer Cera, vela. É um representante do “Reino Animal” (cera produzida pelas abelhas), juntamente com elementos dos demais reinos – vegetal (plantas, vinho e pão) e mineral (água). Toda a criação celebra a paixão, morte e ressurreição de Jesus.

 

  • O Círio Pascal é um dos símbolos mais significativos daquele tempo. Representa Cristo morto e ressuscitado presente em todos os dias e em todos os acontecimentos de nossa vida.

 

  • No princípio, o fogo foi presença de alegria e segurança no meio familiar. É só imaginarmos num tempo em que a luz era escassa, ainda sem energia elétrica, o que isso podia significar.

 

  • Com o passar do tempo, ainda antes do advento da energia elétrica, a luz era retirada totalmente das igrejas após a celebração de quinta-feira santa, apenas retornando no sábado, na vigília pascal.

 

  • Atualmente ele integra a primeira parte dessa vigília – “celebração do fogo”, juntamente com as outras três: da palavra, da água e do pão.

 

  • O Círio é apagado no dia de Pentecostes. A chama dessa grande vela se apaga, mas é conservada em nossos corações, no seio de nossas famílias e comunidades.

 

  • Em nossa paróquia, no dia do apagamento do círio, cada membro do CPP acendeu sua vela (representando sua força viva – pastoral, movimento, associação ou irmandade) e, após ter recebido a bênção final, saiu do templo com a chama acesa, sinal de vitalidade e compromisso.

  • O Círio, ao longo do ano, será acendido nos Batizados, nas Primeiras Eucaristias e nas Crismas, podendo também estar visível nas celebrações de exéquias. No mais, ficará no batistério de nossa igreja Matriz.