A ESPIRITUALIDADE INACIANA

  • Santo Inácio nasceu em Loyola, Espanha, no ano  de 1491 e morreu em Roma, Itália, em 1556. Foi ferido quando participou da batalha de Pamplona (1521). No tempo de sua recuperação foram lhe dados livros sobre a vida de Cristo e de alguns santos. Isso lhe trouxe a oportunidade de conversão. Depois, juntamente com alguns amigos, criou a Sociedade de Jesus, ou, os Jesuítas (1534/1540), ordem da qual pertence o papa Francisco.

 

  • Santo Inácio criou os chamados “Exercícios Espirituais”, o que corresponde a um retiro na estrutura de 30 (trinta dias). Não exatamente cronológicos, mas espirituais.

 

  • Através do confronto da vida com a palavra de Deus, partindo do Antigo Testamento, passando pela vida oculta e pública de Jesus, até sua paixão, morte e ressurreição. O grande objetivo é alcançar o “discernimento dos espíritos” – qual é o vontade de Deus em minha vida, Ele que deseja o meu bem e minha felicidade.

 

  • Esse mesmo critério deve nortear toda a nossa vida, mas, sobretudo, nas ocasiões de “eleição”, ou seja, das escolhas de nossas vidas. Tudo para a “maior honra e glória de Deus”.

 

  • Saber é “saborear”. Fazer experiência reais e profundas de Deus na vida. Ele que nos quer “discípulos-missionários”.

 

  • Quando rezamos nos deparamos com “moções” (movimentos) interiores da alma. As mesmas podem ser de desolação ou de consolação.

 

  • A vida é continua, e depende de nossas escolhas, as quais devem estar pautadas na vontade divina.

 

“Recebei, Senhor, minha liberdade inteira. 

Recebei minha memória, 

minha inteligência e toda a minha vontade. 

Tudo que tenho ou possuo de vós me veio; 

tudo vos devolvo e entrego sem reserva 

para que a vossa vontade tudo governe. 

Dai-me somente vosso amor e vossa graça 

e nada mais vos peço, 

pois já serei bastante rico. 

Amém”.